quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

11) Teste de Convicções Democráticas

Justificativa

Este teste foi elaborado para o leitor que chegou ao fim da leitura de O Modelo Político Brasileiro.

A justificativa para este teste é a seguinte: em toda a América Latina ressurge o fascismo populista com nome de bolivarianismo, socialismo do século XXI ou similar. A característica desse regime é a organização das massas populares através do Estado para fins de perpetuação de dirigentes (ou partidos) políticos.

Esse neofascismo significa ampliar a máquina estatal diretamente pelo inchaço de abnegados e indiretamente através do assistencialismo e da formação de brigadas de defesa, ou de execução de programas do tipo reforma agrária. Nele ocupam lugar especial os sindicatos como forças mobilizadoras, organizações para-estatais e o funcionalismo transformado em massa de agitação.

Nossa proposta para o século XXI consiste no slogan: democracia para democratas. Isto quer dizer que a democracia, em países onde o fascismo ainda é o grande arco político construído encima do Estado, tende a ser minoritária. Para que se inverta o processo é necessário um programa político que propugne o banimento eleitoral de todos os elementos antidemocráticos da sociedade.

Precisamos acabar com as prostitutas e os cafetinos da democracia. Se a opção do país é efetivamente pela democracia, então ela deverá ser decidida por democratas. Para isso, o banimento político é necessário e absolutamente imprescindível para a mudança dos hábitos políticos destrutivos da democracia autência e igualitária.

Não tem nenhum cabimento a tolerância de um regime democrático com outras tendências voltados para a sua destruição internamente. Nenhum regime político diferente da democracia tolerou os democratas. Por que eles devem ser tolerados em uma democracia? Na Alemanha nazista, na Rússia soviética, na China maoista, na Cuba castrista e quejandos, a simples defesa da democracia significa suspeição e cadeia, ou então campos de concentração e fusilamento. Não podemos fazer o mesmo com o amplo espectro antidemocrático que existe no país. Mas temos todo o dever de postular seu banimento político.

Aliás, as leis brasileiras já utilizam a barreira do voto como complemento às condenações na justiça. Isso precisa ser ampliado em dimensões que atinja toda a canalhocracia, todos os movimentos sociais e sindicais pseudodemocráticos e boa parte do funcionalismo. Somente neutralizando esta gente a política pode novamente voltar ao seu leito de origem, e o estado deixar de ser uma atabalhoada máquina de interesses mercantis.

A impregnação do fascismo na cultura brasileira através da "inteligentzia" universitária e de boa parte da mídia atinge proporções inauditas. O brasileiro padece culturalmente de uma formação crítica — de uma solidez de princípios — que proteja seu individualismo contra a intromissão da burocracia estatal e do fascismo político. A cada ano se criam mais restrições a liberdade individual em nome da "necessidade de controle estatal" ou qualquer eufemismo do gênero.

Para saber até onde o fascismo brasileiro está impregnado em você, desenvolvemos alguns testes abaixo. O jogo é o seguinte: cada pergunta corresponde a apenas uma resposta certa. A uma resposta errada, você estará banido do direito de votar. Para se qualificar como eleitor, você deverá dar respostas certas para todas as perguntas.

1

Você apoia um determinado governo que vem sendo alvo de crítica por um ou mais jornais. O governo reage e ameaça editar uma lei criando o controle da imprensa, que o autoriza a agir contra os jornais que não lhe apoiam. Neste caso, sua opinião é:
a) O governo está certo e esta gente da oposição precisa mais é de cassete mesmo;
b) As críticas são mentirosas e o governo precisa fechar este(s) jornal(is).
c) Apoio o governo, lamento as ameaças à liberdade , mas as críticas devem ser respeitadas pois é o que se deve aguentar em uma democracia;
d) O governo deve aumentar as verbas de publicidade para o jornal pois assim poderá amenizar as críticas.
Resposta certa: (passe o mouse)É a C. Este teste foi feito para petistas honestos

2

Os jornais noticiam um grande caso de corrupção envolvendo políticos em qualquer nível legislativo. Houve divulgação de fotos (ou vídeos) confirmando o envolvimento de um partido político no escândalo (neste nível legislativo). Ocorre que você nutre simpatia e até mesmo tem votado sistematicamente neste partido. Sua reação ao escândalo é:
a) Inocentar o partido pois tudo foi uma armação para denegri-lo;
b) Achar que isto não é muito importante, pois afinal nos partidos adversários a corrupção é ainda maior;
c) Não dar importância ao fato;
d) Exigir que se faça justiça e se afaste os políticos envolvidos para que o partido que você apoie se livre desta gente.
Resposta certa:É a D. Você não pode ser complacente com um partido que abriga pessoas com comportamento moralmente abjeto, mesmo sabendo que a política está cheio delas.

3

Quando se é mais de uma sociedade em um mesmo espaço, ou somos sociedades heterogêneas — como este site tem demonstrado — certos comportamentos sociais são responsáveis por acidentes que supõe-se seriam atenuados quantitativamente se as condições sociais fossem mais homogêneas, como por exemplo, dirigir embriagado ou dirigir com imprudência. No caso de beber e dirigir, uma pessoa pode ser mensurada com o bafômetro, mas no caso da imprudência a única forma de enquadramento é a testemunhal, já que não se pode utilizar um instrumento de medição. Mas o imprudente sóbrio pode ser mais perigoso que o embriagado cauteloso. Em qualquer caso, a única forma de dizer se uma pessoa é imputável a um dano causado é depois dela ter causado o dano e não a presunção de que vai causar um dano. Fora disso, o que existe de concreto é o risco. Assim, dirigir embriagado é um risco, da mesma forma que dirigir imprudentemente, pois aumenta a possibilidade da ocorrência de acidentes. Mas em uma avenida onde o limite de velocidade é de 60 km/h, um motorista a 80 km/h está correndo um risco muito menor do que um motorista correndo a 120 km/h. Da mesma forma, uma pessoa que tomou um chope, corre um risco muito diferente de uma pessoa que tomou 10. Mas a lei não admite tolerância para o risco causado pelo aperitiveiro, mas tem uma série de gradações para o excesso de velocidade. Em qualquer caso, você acha que essas leis:
a) são feitas para todos e estão certas;
b) são feitas para a classe média, pois os que estão no governo estão bem protegidos pela impunidade;
c) deveriam ser mais rigorosas ainda pois quanto mais rigorosa uma lei, mais o povo obedece;
d) não deveria existir lei alguma.
Resposta certa: É a B. A maioria das nossas leis são feitas na tentativa de reparar danos causados por terceiros através de ações legiferantes, já que ninguém confia em uma justiça que pode ser facilmente tripudiada.

4

Não se sabe a quantidade de tributos pagos no Brasil por causa dos tributos municipais que são diferentes e legisláveis localmente. O portal tributário relacionou 85 tributos pagos (incluindo taxas, contribuições e impostos). São os mais conhecidos e mais gerais. Os tributos são financiadores das receitas dos 3 níveis de governo (federal, estadual e municipal), e da enorme quantidade de instituições paraestatais constituindo nosso sempiterno semicapitalismo (sindicatos, associações profissionais, ONGs, etc). Como os tributos federais são instituidos por medida provisória, a carga tributária está sempre aumentando, e atualmente (2010) encontra-se em torno de 40% do PIB. Entretanto, diversas entidades reclamam uma reforma tributária do governo para tornar os produtos brasileiros mais competitivos, tendo em vista a globalização que, no entando, nunca chega a realizar-se além de maquiagens. A razão para essa resistência a uma reforma tributária pode ser atribuida:
a) ao próprio povo que é ignorante;
b) ao destino dos tributos que na maioria das vezes protege cabos eleitorais e apaniguados dos representantes políticos;
c) a roubalheira generalizada;
d) a impossibilidade do Estado fazer antes outras reformas.
Resposta certa:É a B. O sistema político cria e se apropria dos tributos como instrumento de barganha eleitoral

5

O Brasil é reconhecido internacionalmente por algumas empresas e produtos. Desde os anos 90, diversas empresas brasileiras se internacionalizaram, criando subsidiárias no exterior ou exportando produtos industrializados e commodities para o mercado internacional. Entre as empresas que se destacaram pode-se falar da Embraer, Gerdau, Sadia-Perdigão, Petrobrás, Vale do Rio Doce, etc. Se você estiver andando em uma avenida de uma capital européia e vir um escritório de uma empresa brasileira, você sente:
a) uma satisfação por ver uma empresa brasileira no mundo global;
b) nenhuma satisfação;
c) só se for a Petrobrás ou outra estatal;
d) sinto horror e saio correndo;
Resposta certa: É a A. Se você cha que a identidade nacional está vinculada a empresas estatais você está contaminado pelo virus do fascismo auriverde. Trate de deletar o mais rápido possível lendo DNA Brasil

6

Duas pessoas competiam em um exame de seleção para uma vaga em uma universidade. Uma obteve a média 9 e a outra 5. Entretanto, a pessoa com a média 9 não pode ocupar a vaga porque a Universidade informou que os critérios haviam sido alterados e que devido ao regime de cotas, a pessoa que teve a média 5 iria ocupar a vaga por ter a pele mais escura. Você acha que este critério:
a) é certo porque a pessoa que teve média 5 certamente era mais pobre e isto significa que a competição era desigual;
b) está errado. A pessoa com a média mais alta devia ser indicada para a vaga porque se existe competição somente o mérito deve ser a medida da avaliação e reconhecimento;
c) depende das diferenças sociais entre as duas pessoas;
d) depende da pessoa com média 5 demonstrar que possui antepassados africanos.
Resposta certa: É a B. O mérito existe na sociedade humana porque a vida social é interdependente. Enquanto os homens se beneficiam das ações dos outros, o mérito não pode ser eliminado, sob pena de se eliminar os incentivos para que o conhecimento avance e a sociedade progrida.

.

7

Em uma família dois irmãos gêmeos fizeram a mesma faculdade de engenharia, mas seus destinos foram se distanciando porque um deles trabalhou na iniciativa privada e o outro fez carreira no serviço público. Embora o salário do engenheiro na iniciativa privada fosse mais alto no início de carreira, ele logo foi perdendo a vantagem porque o engenheiro no serviço público começou a receber benefícios adicionais com o tempo de serviço, licenças remuneradas e prêmios, auxílio-moradia, 14o salário, tolerância ao absenteismo, atrasos e, por fim, aposentadoria integral, coisa que o deixou muito distante de seu irmão gêmeo no final de carreira. Você acha que esta desigualdade pode ser classificada de:
a) antinatural e degradante para uma sociedade com dois pesos e duas medidas nas relações de trabalho;
b) natural, pois se o serviço público não oferecer mais benesses ninguém vai querer trabalhar nele;
c) está de acordo com o resto do mundo;
d) infelizmente tem que ser assim, pois quem trabalha na iniciativa privada tem mais oportunidade do que no serviço público e se um deles não acumulou mais capital é porque não teve sorte nem competência.
Resposta certa: É a A. A resposta D é uma ísca para fazer você achar que a enorme desigualdade nas relações de trabalho possam ser justificadas com o aceno de mais oportunidades no mercado de trabalho privado, esquecendo que o Brasil vive diversas crises em um período de 35 anos (que corresponde a uma geração de trabalho) e que as oportunidades desaparecem exatamente por causa da conjuntura econômica desfavorável para o trabalhador da iniciativa privada, daí porque as preferência das pessoas por empregos públicos.

8

Nos anos 90 o Brasil passou por um processo de privatizações. Muitas empresas estatais deficitárias foram vendidas e passaram a dar lucros contribuindo para a recuperação econômica do país e ajudando a eliminar os gargalos do déficit público. Isto permitiu o controle da inflação e a estabilidade do real. As empresas estatais eram deficitárias com enormes rombos como a Cosipa que devia 7 bilhões e recolheu em toda a sua existência apenas 38 milhões em impostos. Bancos estaduais como Banespa acumularam dívidas de mais de 50 bilhões em créditos não pagos e assim por diante. No final, o governo se livrou de despesas e ainda diminuiu consideravelmente o número de cargos disponíveis para a nomeação política. Em poucos anos o Brasil passou de deficitário a superavitário nas relações internacionais, comprovando que:
a) o Estado deve ter limites quanto a sua atuação na sociedade, pois nossas estatais sempre acabam sendo capturadas por políticos que terminam dilapidando seus recursos;
b) foi o fim de um cliclo que se pode atribuir exclusivamente aos militares;
c) foi uma experiência mal sucedida por causa do nosso sistema político;
d) entregaram os anéis para não perder as mãos.
Resposta certa: É a A. Embora a resposta C seja verdadeira, a resposta A é a mais adequada.

9

O Brasil é um dos poucos países no mundo em que ainda existe a instituição do voto obrigatório. Na concepção de democracia do resto do mundo, os cidadãos só são convocados a votar se quiserem, se alistando dias antes do pleito e, por isso, a campanha eleitoral tem a função de mobilizar o máximo de cidadãos para o comparecimento às urnas. Em consequência, a política precisa se adequar a um tipo de discurso mais envolvente, mais militante, mais persuasivo. No voto obrigatório existe a barganha da troca de favores, da compra de voto por ninharia já que o eleitor vai de qualquer jeito as urnas, das promessas descabidas e do desrespeito ao eleitor mais educado e informado. Em vingança, o povo frequentemente vota em símbolos jocosos (cacareco), candidatos grotescos (Eneas e Clodovil) ou fantoches em busca do dolce far niente da vida pública. O zelo pelo voto obrigatório é de tal monta que quase todos os órgãos públicos exigem dos candidatos a qualquer coisa de comprovantes de "estar em dia com a justiça eleitoral". Por isso, nosso sistema político mantém o anacronismo do voto obrigatório por:
a) entendimento de que todo cidadão é igual e essa igualdade só pode ser medida pela obrigação do comparecimento as urnas, já que ele tem direito de rejeitar os candidatos votando em branco ou nulo;
b) safadeza de desvalorizar o cidadão que sente responsabilidade pelos destinos da pátria com aquele que não está nem aí, fazendo com que quanto mais estúpidos existirem melhor será para o status quo;
c) os políticos precisam do voto obrigatório para dispor de votação expressiva;
d) o voto facultativo não muda nada, pois a maioria não iria votar e os políticos seriam eleitos só com os cabos eleitorais que conseguiriam no funcionalismo e nos sindicatos.

Resposta certa:É a B. O fim do voto obrigatório não mudaria o argumento de D, mas melhoraria a qualidade do voto. A questão é que uma reforma política não deve se limitar a simples extinção do voto obrigatório

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não é permitido linguagem abusiva, de cunho racista ou pornográfica e ofensas pessoais.